×

Este website utiliza cookies. Ao utilizar este website, você está aceitando nossa Política de Privacidade.

Pesquisa em alimentos funcionais

19th July 2019

Pesquisa em Alimentos Funcionais De acordo com a FUFOSE (Functional Food Science na Europa), o órgão responsável pelo assunto na Comunidade Europeia, um alimento funcional é aquele para o qual foi satisfatoriamente demonstrado que exerce um efeito benéfico sobre uma ou mais funções específicas do organismo. Esses benefícios devem ir além dos seus efeitos nutricionais adequados, melhorando o estado de saúde e bem-estar ou reduzindo o risco de doenças. É também um requisito importante que o alimento em questão seja seguro para o consumo.

Como a definição de bem-estar é difícil de quantificar, a pesquisa na área de alimentos funcionais enfoca o estudo de certos marcadores da função biológica de interesse, que refletirão a resposta do organismo ao consumo de um alimento.

Embora a legislação de cada país estabeleça regulamentações diferentes, geralmente são necessários caracterizar o alimento ou componente estudado, um estudo de intervenção humana com os controles apropriados e métodos estatísticos de avaliação, e a apresentação de evidências científicas que considerem a totalidade dos dados disponíveis.

Em relação aos marcadores de função biológica, são necessários que eles gerem um resultado conhecido sobre o processo biológico a ser estudado, que sua variabilidade na população de estudo seja conhecida e que um método analítico validado esteja disponível para a sua análise.

 Na FUJIFILM Wako, oferecemos reagentes de alta qualidade para a análise de alimentos, que são muito úteis na pesquisa de alimentos funcionais.

Kit medição de fibra dietética (291-59701)

A fibra alimentar é um dos grupos de substâncias amplamente estudadas em alimentos funcionais. É formada por cadeias de polissacarídeos, oligossacarídeos e ligninas de origem vegetal resistentes à hidrólise pelas enzimas presentes no sistema digestivo humano.

Sofrem pouca absorção intestinal e contribuem para facilitar o trânsito intestinal. Além disso, foi provado que ajudam a reduzir os níveis de colesterol e glicose no sangue, além de ter um efeito protetor contra o câncer de cólon.

Nosso kit usa uma versão modificada do método Proski para a determinação de fibra dietética total. Diminui o tempo necessário para a digestão enzimática, utilizando uma mistura de enzimas (alfa-amilase, protease e amiloglucosidase), e permite uma melhor precisão nos resultados obtidos.

ARTIGO EM DESTAQUE: Vantagens da extração de fase sólida para análise de contaminantes

Kit de medição da inibição da α-Glucosidase (297-78601)

A alfa-glicosidase é uma enzima presente no intestino delgado que hidrolisa os dissacarídeos para gerar glicose livre, permitindo a sua absorção. Sua inibição é uma estratégia utilizada para o controle do diabetes tipo 2.

Diferentes classes de compostos presentes nos alimentos que atuam como inibidores da alfa-glicosidase foram identificadas. Alguns exemplos são os flavonoides do chá preto, chá verde e chá oolong (todos preparados a partir de Camellia sinensis) e certas proteínas contidas no feijão preto.

Nosso kit consiste em tampão, dois substratos, um inibidor como controle positivo, juntamente com a enzima alfa-glicosidase para ser utilizado em ensaio enzimático em microplaca junto com as amostras de interesse.

LabAssay Glicose (298-65701)

Nosso kit permite a quantificação da glicose em solução por um método enzimático que combina a ação da mutarotase com a glicose oxidase, gerando assim um produto de condensação que apresenta coloração vermelha, sendo a absorbância medida em um leitor de microplacas a 505 nm.

Se você está interessado em qualquer um destes reagentes de alta qualidade úteis na pesquisa de alimentos funcionais, não hesite em Contactar-nos.

Bibliografia:

  1. Di Stefano, E., Oliviero, T., & Udenigwe, C. C. (2018). Functional significance and structure–activity relationship of food-derived α-glucosidase inhibitors. Current Opinion in Food Science, 20, 7-12.
  2. Howlett, J. (2008). Functional foods: from science to health and claims. ILSI Europe.
  3. Prosky, L. (2000). When is dietary fiber considered a functional food? Biofactors, 12(1-4), 289-297.

Por: Adriana Clegg Em: Produtos Wako