×

Este website utiliza cookies. Ao utilizar este website, você está aceitando nossa Política de Privacidade.

Complexos de platina usados na pesquisa sobre o câncer

23rd January 2018

Complexos de platina usados na pesquisa sobre o câncerO uso dos complexos de platina, principalmente o cis-diaminodicloroplatina (II) - comumente conhecido como cisplatina- para a pesquisa sobre o câncer. A descoberta de seus efeitos antitumorais representou um marco na história do desenvolvimento desses fármacos, promovendo a busca de complexos de metais pesados com ação seletiva.

A observação da resistência à cisplatina e a severidade de seus efeitos secundários levou ao desenvolvimento de outros complexos de platina com um melhor perfil farmacológico. A oxaliplatina é um fármaco de terceira geração, que consiste em um átomo de platina complexado com (1R, 2R) -1,2-diaminociclohexano e com oxalato como grupo de saída.

Mecanismo de ação

Os complexos de platina exercem sua ação anticancerígena através de vários mecanismos, sendo o principal a ligação ao DNA. Embora acredita-se que os complexos de platina podem penetrar na célula por difusão passiva, tem sido observado que a cisplatina interage com transportadores como CTR1. Quando encontrados dentro das células, as moléculas de cloro são hidrolisadas para formar o complexo de platina ativado. Tais grupos são altamente eletrofílicos e reagem com grupos nucleofílicos no citoplasma, como os tióis nas proteínas ou nitrogênios dos ácidos nucleicos. Essas reações diminuem a capacidade antioxidante do citoplasma e geram um aumento no estresse oxidativo. A geração de espécies reativas de oxigênio induz a apoptose celular. No caso da cisplatina, o estresse oxidativo danifica principalmente as mitocôndrias.

Do mesmo modo, os complexos de platina ativados reagem com as bases púricas do DNA, especialmente com a posição N7 da adenina e guanina. A existência de dois locais adjacentes no complexo permite a coordenação em dois locais, seja na mesma cadeia ou entre diferentes cadeias. Esta ligação causa uma distorção considerável na dupla hélice. Para a cisplatina, a ativação dos mecanismos de reparação e a subsequente falha no reparo do DNA levam à ativação da morte celular pela apoptose, mediada por p53.

TAMBÉM PODE INTERESSAR-LHE: 3 complexos de platina para o tratamento do câncer

A oxaliplatina também é capaz de formar ligações entre as guaninas e, devido ao seu maior volume, causa uma distorção diferente e é considerado mais eficiente. Os efeitos secundários da oxaliplatina são diferentes dos da cisplatina, pelo qual se suspeita um diferente mecanismo de ação.  Um estudo recente propõe que a indução da morte celular ocorre através da inibição da tradução, onde o DNA modificado pela oxaliplatina inibiria a síntese de RNA ribossômico, gerando estresse na biogênese dos ribossomos.

Foi comprovada a eficácia da cisplatina no tratamento dos cânceres de ovário, testículo, bexiga, mama, rim, colorretal, pulmão, cabeça e pescoço. Por sua vez, a oxaliplatina está aprovada para o tratamento em combinação do câncer colorretal.

Devido à sua atividade bem caracterizada como agente anticancerígeno em várias linhagens celulares, a cisplatina é comumente utilizada como um composto de referência nestes testes. A oxaliplatina também foi usada como referência, principalmente em estudos com compostos anticancerígenos de complexos metálicos. Ambos os compostos estão incluídos no nosso catálogo de produtos para pesquisa sobre o câncer: Cisplatina, catálogos 033-20091/039-20093, e Oxaliplatina, catálogos 156-02691/152-02693.

Bibliografia:

1) Bruno, P. M., Liu, Y., Park, G. Y., Murai, J., Koch, C. E., Eisen, T. J., Hemann, M. T. (2017). A subset of platinum-containing chemotherapeutic agents kills cells by inducing ribosome biogenesis stress. Nature Medicine, 23(4), 461–471.

2) Dilruba, S., & Kalayda, G. V. (2016). Platinum-based drugs: past, present and future. Cancer Chemotherapy and Pharmacology, 77(6), 1103–1124.

3) Shaloam, D., & Tchounwou, P. B. (2014). Cisplatin in cancer therapy: Molecular mechanisms of action. European Journal of Pharmacology, 740, 364–378.

4) Wiltshaw, E. (1979). Cisplatin in the treatment of cancer. Platinum Metals Review, 23(3), 90–98.

OUTROS REAGENTES PARA LABORATÓRIO

Sericina Conjunto (A) Para a regulação do crescimento de 5 vegetais
Dicamba
Sericina Conjunto (A)
Dicamba

Por: Adriana Clegg